terça-feira, 30 de março de 2010

Tenho aceitado, de bom grado, que sou provinciano


Estou diminuindo minhas reclamações sobre minha vida de provinciano. Ultimamente tenho buscado perceber qualidades de se viver numa cidade mais pacata, onde as coisas acontecem um pouco depois, ou simplesmente não acontecem.
Sim, sim, é preciso dizer que Blumenau não é assim um fim de mundo - antes que o pessoal que é de fora leia isso e pense que nós andamos entre animais silvestres - mas o que incomoda é justamente esse meio termo: somos uma cidade razoavelmente grande, moderna, com ótima qualidade de vida, mas temos uma cabeça meio provinciana.
'Guerra ao terror', por exemplo, estreou no cinema aqui de Blumenau só neste final de semana. Há séculos o pessoal de Sampa já viu esse filme. Salas de cinema 3D? Só em Floripa nêgo! Ah, sem falar numa infinidade de peças, mostras e shows que não passam por aqui.
Também não é legal essa mania do blumenauense fechar tudo às 18 horas e o comercio noturno girar em torno do Shopping. Quem disser que não se incomoda com isso está mentindo ou já se acostumou. Eu moro no centro e se não sair um pouco antes do meu horário de trabalho não consigo pegar a lavanderia, por exemplo. Solução? Lavanderia do Shopping!
Até tem gente que continua batendo na tecla de que devemos trabalhar mais o turismo pra gerar mais renda e movimentar um pouco mais a cidade, mas me pergunto: pra quê? Pra aumentar a criminalidade? Não há espaço físico pra receber turistas, não há hospitalidade na nossa cultura pra receber turistas. Sinto muito, é fato.
Mas, enfim, como eu vinha dizendo, estou vendo mais os benefícios desse nosso ritmo. Sim, por aqui também acontecem assaltos, violência em geral, mas é numa proporção muito menor que em São Paulo, ou até Balneário Camboriú, para não ir tão longe. Um amigo de Córdoba me disse: "vocês não sabem a qualidade de vida que têm". Ele tem razão, em outras cidades aqui da região a cada dez passos você é parado por pedintes. Não temos isso aqui.
Claro, se eu não disser que sei que há um processo de favelização sem tamanho em andamento na cidade, você vai dizer que eu estou vivendo alienado. Sim, eu sei, mas como disse falo das proporções, comparo com outros cidades.
Blumenau não é um paraíso, mas ainda estamos bem na fita.

4 comentários:

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE
CICERO TITO


ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE EL NAZARENO- LOVE STORY,- Y- CABALLO, .

José
ramón...

Cícero Tito Nogueira disse...

Como dicen mis amigos bonaerenses: "un gustazo, José".
Gracias, bienvenido.

Jonathas Nascimento disse...

Salve Cícero,

Já morei em cidades pequenas e grandes. No fundo a essência é sempre próxima, embora haja diferenças evidentemente. A verdade é que enquanto humanos que somos nunca estamos satisfeitos. Na minha visão isso é mais bom do que ruim.

Abraços,

F. Arteche disse...

Viver em cidade do interior tem seus ônus e seus bônus.