segunda-feira, 8 de março de 2010

Um metro e cinquenta e sete centimetros de atitude.

Hoje comemoramos o dia da mulher. Estive pensando em como homenagear as mulheres e então me ocorreu a idéia de transcrever um discurso que a cantora Shakira fez em dezembro de 2009 na Oxford University. Encontrei alguns vídeos de mulheres brasileiras que eu admiro muito, mas como estamos em ano eleitoral achei mais prudente postar o discurso da cantora colombiana. Nós estamos acostumados com outra abordagem da mídia sobre o comportamento e a inteligência das artistas. Esse vídeo mostra o que a indústria cultural não faz muita questão de vender. Espero que as mulheres que passarem por aqui se sintam homenageadas.
Segue:

"Obrigada Oxford, obrigada Oxford Union.
Para mim é uma verdadeira honra e um privilégio estar aqui com vocês. A verdade é que eu estou um pouco perplexa ao vir aqui hoje pra ver vocês e não cantar nem "mexer as cadeiras".
Como é que alguém que nasceu em Barranquilla chega a ocupar hoje o mesmo palanque que Newton ou Churchill? Deus sabe que não sou a Madre Tereza... mas estou aqui com vocês.
Me dou conta que o a melhor maneira de iniciar minha conversa com vocês é como artista. Nós, os artistas, dependemos da nossa imaginação. Quando me disseram que eu estaria aqui, pensei no passado e imaginei o futuro. Suas mentes são as que irão mudar o mundo e isso me faz olhar adiante e pensar como será o futuro daqui a 50 anos: O que estará acontecendo? Como vamos viver? Quem vamos ser? Que desafios teremos que superar? Tenho um sonho de como seria esse futuro e quero compartilhar com vocês.
Deixem-me colocar desta maneira: se a civilização fosse um automóvel, nós estivemos a20milhas por hora durante milhões de anos, chegando à velocidade da luz somente nos últimos 100 anos. Me pergunto: o que nós fizemos para acelerar tanto? Como podemos continuar acelerando na mesma velocidade? Existe uma explicação: A democratização da educação! Eu acredito que o melhor ainda está por vir. Assegurando o acesso à educação universal vamos alimentar nossa inteligência coletiva. Com nosso compromisso pra nos reunirmos e organizar reuniões como essas nos encontramos muito perto de criarmos uma rede de intelectuais, um Think Thank (depósito de idéias), de enormes dimensões que nos permitirá distribuir as melhores idéias nos inspirando a seguir aprendendo, a seguir lutando para que o mundo vá progredindo, encontrando soluções para nossos problemas. Não seria incrível?
Nós evoluímos muito e chegamos muito longe durante a história da humanidade. Nesse último século criamos enormes avanços tecnológicos. Eu me pergunto: como vamos evoluir nos próximos 10, 20 ou 50 anos em um mundo que está cada vez menor, que se converteu em uma só vizinhança? Vocês sãos arquitetos da mudança. Então me digam, quantas coisas que hoje são impensáveis vão ser óbvias amanhã? Quantos anos viverá o ser humano? Como será estruturada a sociedade? Ainda estaremos organizados em casais? Em comunidades governadas por presidentes?
Desgraçadamente, e com o ritmo atual, não teremos acesso a educação universal em 100 anos. Isso é inaceitável! Especialmente quando o mundo tem recursos necessários pra se alimentar mais de uma vez e eu me pergunto: porque as crianças morrem de fome?
Na América Latina temos três vezes a quantidade necessária para alimentar toda a população. Essas crianças não podem esperar 100 anos. Eles precisam que nós cuidemos das crianças que sofrem de leucemia ou AIDS, criando remédios ou vacinas inovadoras que coloquem um fim nessas enfermidades. Precisamos viver em um mundo em que possamos encontrar uma solução para o aquecimento global. Se conseguirmos, já não teremos que nos preocupar cada vez que vermos uma tormenta se formando-se no horizonte. Também precisamos encontrar novas formas de distribuir alimentos para terminar com a desnutrição infantil.
E eu sei que a educação é a nossa solução! Porque eu sei? Porque eu tenho visto.Eu nasci na Colômbia, um país marcado pela guerra civil e a desigualdade. Cresci num país subdesenvolvido em que a educação era vista como um luxo e não como um direito. Um país em que as crianças pediam para ir à escola e os pais estavam desesperados para lhes proporcionar isso. Um país em que se você nascia pobre, estava predestinado a morrer pobre.
A boa notícia é que existe uma solução que nos permite romper o ciclo da pobreza em que estão presos milhões, pela falta de acesso à educação. Quando eu fiz 18 anos de idade, decidi criar minha própria fundação na Colômbia. Desde então, temos trabalhado para proporcionar uma educação de qualidade e nutrição para as crianças e educação ocupacional para os pais. Temos construído escolas que funcionam como centros abertos para a comunidade, gravemente afetada pela violência. Encontramos uma fórmula que nos permite que as crianças continuem nas escolas, mantendo a participação dos pais na educação de seus filhos. Proporcionando alimentos em nossas escolas, conseguimos com que as crianças não abandonem seus estudos, diminuindo consideravelmente a desnutrição de nossos alunos.
Nós sabemos que, ao criar centros educativos em áreas de conflito e pobreza extrema, podemos transformar as vidas e as mentes das crianças e da comunidade. Por isso lhes peço que acreditem quando digo que isso funciona.
Quero que isso fique bem claro: isso não é um ato de caridade, é um ato de investimento no potencial humano já que cumpre com os objetivos de um ponto de vista moral e ético. Também cumpre com os objetivos do ponto de vista econômico proporcionando numerosos benefícios a toda a humanidade. A educação universal é a chave para a segurança internacional e o desenvolvimento econômico. Todos nós queremos nações seguras.
Em um mundo com Estados débeis que se convertem em paraísos de extremistas radicais, o acesso à educação se converte em um dos elementos chaves para reduzir o risco de instabilidade, contribuindo para que um regime democrático vá se estabelecendo pouco a pouco.
Uma criança que vive rodeada de pobreza, longe da escola, tem 10 vezes mais chances de ser recrutado pelo crime organizado, do que uma criança que vai à escola. Por exemplo, na Colômbia temos crianças que estavam predestinadas a fazer parte do negócio do narcotráfico ou de ser recrutados por uma guerrilha. Hoje, enquanto eu falo aqui, estas crianças estão em sala de aula. Sim, a educação promove paz e estabilidade mundial. Não é o que todos nós queremos?
A educação também é um catalisador econômico. Um ano de educação primária gera um aumento entre 10 a 20% de aumento no salário de um adulto. Para cada 1 dólar investido no desenvolvimento infantil, a criança irá devolver 17 dólares. Pois é, a educação também gera o desenvolvimento econômico.
É assim que eu quero que a juventude do ano 2060 nos veja. Que vejam que a nossa missão para a paz mundial consiste no envio de 30.000 educadores ao Afeganistão e não em 30.000 soldados. Somente a educação vai acelerar nossa evolução.Investindo em nossas crianças, liberando o potencial que durante muitos anos ficou inutilizado, eles poderão descobrir a cura das nossas enfermidades, nos levar a Marte ou assegurar a paz na terra. Educação para todos!
John Locke, quem eu creio que foi um de vocês, disse que "a única defesa contra o mundo é dispor de um conhecimento profundo, e quanto mais rápido, melhor". Sim, quanto antes melhor! Não temos tempo a perder. Vocês que conduzem o automóvel têm o pedal do acelerador ao alcance dos pés. Eu peço que pensem nisso.
Muito obrigada. Foi uma grande honra para mim".

Nenhum comentário: