segunda-feira, 26 de abril de 2010

O atroz encanto de ser argentino

Como já é costume, sempre que acabo de ler um livro, tenho deixado registradas minhas considerações aqui no blog. Espero que isso seja interessante para você, caro leitor, tanto quanto tem sido para mim.


O atroz encanto de ser argentino 2, logicamente, é a continuação do ensaio de Marcos Aguinis, que em 2001 já havia polemizado com sua visão dos acontecimentos políticos daquele país, contrastando fatos históricos com a, então, atual situação.

Penso que, talvez, tenha sido a partir da leitura dessa obra que eu comecei a me interessar por jornalismo investigativo. Na época eu fiquei imaginando como alguém pode ser tão destemido e engajado a ponto de não temer represálias, num país onde as regras mudam conforme o humor dos que estão no poder.

Assim como no primeiro volume, Aguinis traz à luz uma Argentina destruída pela tirania política, pelo assistencialismo, pelo clientelismo e pela inércia de um povo que já está resignado com sua condição de sofredor.

É uma obra recomendável para quem quer entender o buraco negro que é a economia argentina hoje. O autor não poupa palavras ou nomes de políticos, partidos e instituições que contribuíram ou contribuem para levar a nação cada vez mais para o fundo.

Esse segundo ensaio foi lançado em 2007, e nessa época o jornalista já denunciava as investidas dos Kirchner para ilhar a liberdade de imprensa e submeter as instituições da República aos seus caprichos – quem tem acompanhado os noticiários tem visto que o autor estava correto em suas previsões. O governo K tem se mostrado cada vez mais absolutista, a exemplo dos colegas venezuelanos e bolivianos, o que tem transformado o país num dos menos confiáveis e as conseqüências econômicas e sociais tem sido desastrosas.

3 comentários:

Rose Dayanne disse...

Olá Cícero, parece ser um bom livro!
Boa dica...

No meu caso, desde pequena lendo Agatha Christie, pensei em fazer jornalismo, não sei por que.. hhee

Patricia Daltro disse...

Não conhecia nem o autor, nem o livro. Obrigada pela dica!

Cícero Nogueira Neto disse...

Tem algo de jornalístico em Agatha Christie, Rose. É investigativo...
Também já tive minha fase de devorar Agatha. Li 2 vezes "A testemunha ocular do crime", por exemplo.