segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Sobre atrasos e culpas

Houve um tempo em que eu tinha uma "gaveta do atraso" em meu quarto - aquele universo só meu, onde me encontro e me sinto seguro com meus medos e desejos mais obscuros. Nessa gaveta depositava livros, revistas, músicas, filmes que não tinha tempo para desfrutar e prometia que veria depois.

Com muito esforço consegui reduzir a quantidade de arquivos e agora, aos 25, no quarto semestre da faculdade, conto orgulhosamente que tenho apenas uma "pasta do atraso".

Nessa pasta estão arquivados desde recortes de revistas até artigos acadêmicos que eu vou postergando durante o ano e só consigo ler durante as férias. Sim, como todo mundo que é estudante, eu também tenho muitas leituras atrasadas. Em parte porque leio muito, mas também porque sou desorganizado. Acumulo material, me comprometo com cursos de final de semana e acabo por deixar muita coisa para ser lida e estudada depois.

O semestre está acabando e sei que vou me livrar dessa culpa, ao menos até o próximo ano letivo. Nessa fase, por exemplo, tivemos a cadeira Legislação em Comunicação, e a professora não nos poupou. Tivemos que ler muito e eu confesso, tive, por muitas vezes, que assumir o papel do "leitor de rodapé" - aquele que só lê algumas partes do livro e sai por aí vociferando com autoridade sobre a obra - mas não deixei de guardar tudo na pastinha da culpa, que mantenho sempre visível em cima da televisão, para aumentar ainda mais meu desconforto quando, relaxadamente, estou vendo a novela das 8 no sábado à noite.

Estava olhando para minha pastinha e pensando em como vou arquivando sentimentos - as vezes ressentimentos - dentro de mim. Os anos vão passando e vou mentalmente deixando para depois algumas atitudes que devem ser tomadas agora, sem adiamentos. São desabafos que foram engolidos, confissões suplantadas pelo medo das reações de terceiros, pedidos não feitos por conta do meu orgulho... e por aí vai. Assim como no caso da pastinha do atraso de leituras, também sou desorganizado em matéria de sentimentos. É difícil lidar com algumas descobertas. É difícil lidar com pessoas. É difícil lidar comigo mesmo.

Meus atrasos com as leituras, como disse, resolvo durante as férias. Quanto ao arquivo dos sentimentos, espero que com a maturidade que felizmente - ou infelizmente, sei lá - vêm chegando, consiga reduzir e me organizar. Mas, nesse caso, não tenho tanta pressa. Só não quero passar uma vida fingindo que estou vivendo intensamente e - pior - me sentindo culpado por isso.

Nenhum comentário: