terça-feira, 7 de junho de 2011

Comunicação Organizacional – case Senior

Juliane Costa, Analista de Comunicação da empresa, ministrou palestra no ICOM IBES 2011
O ICOM IBES 2011 já é um sucesso! A quarta edição do Festival Interdisciplinar de Comunicação organizada pelos alunos do 5º semestre de Jornalismo e Publicidade & Propaganda do IBES/Sociesc, começou com palestra de Paulo Ilha, da Agência Africa e oficinas ministradas por Lena Souza (Oratória) e Alexandre Pereira (Rádio) e Juliane Costa (Comunicação Organizacional).

Eu acompanhei a palestra sobre Comunicação Empresarial ministrada pela jornalista blumenauense Juliane Costa. Ela é Analista de Comunicação, responsável pela coordenação de Comunicação Integrada da empresa Senior, uma das maiores desenvolvedoras de softwares para gestão empresarial do país.

Juliane falou sobre os diferentes públicos que a empresa busca atingir através de uma estratégia de marketing que inclui assessorias contratadas, os porta vozes da empresa e ações de endomarketing.

A publicitária Fernanda Mueller também participou do bate papo falando sobre a comunicação interna que é de sua responsabilidade na Senior. Ambas destacaram a importância de informar antes os colaboradores da empresa para depois publicar na imprensa. Tanto os porta-vozes quanto os demais funcionários devem estar sempre por dentro de tudo que ocorre.

Interatividade

“As pessoas dizem que estamos na era da comunicação. Nós sempre estivemos na era da comunicação. Nunca sairemos dela.”, disse Juliane Costa, falando sobre redes socias como canais corporativos. Segundo a jornalista, o desafio agora é interagir com os públicos estratégicos de forma assertiva, preservando os interesses da organização. Nem tudo deve ser respondido. Existem provocações feitas pelas pessoas nas redes sociais que não merecem respostas, por outro lado, dúvidas, reclamações, solicitações e até elogios exigem agilidade no retorno e, acima de tudo, simpatia. O consumidor espera soluções ou então trocará de marca, escolherá no leque de opções disponíveis aquela que melhor interagir com ele.

Juliane compartilhou a experiência da Senior, que se utiliza dos serviços de uma empresa especializada em monitoramento e geração de conteúdos para mídias sociais. Também falou sobre a estratégia de, apesar de publicar uma revista bimestral, a Interface, com tiragem de 7 mil exemplares distribuída para clientes e prospects, eles também terem uma extensão digital, com vídeos e áudio. Tanto no impresso quanto no digital o principal foco é os cases de sucesso com clientes, sobretudo, a geração de conteúdo que não seja propriamente sobre os produtos desenvolvidos pela empresa.
Foco em resultados

A jornalista também destacou que a Assessoria de Comunicação não pode esquecer que faz parte do planejamento estratégico da organização, então o foco nos resultados econômicos não deve ser perdido. O jornalista e os demais profissionais que fazem parte da equipe de Comunicação Integrada devem agir de forma ética e responsável, mas sempre seguindo as regras definidas pela própria organização. O objetivo é vender a imagem, a marca da empresa e, a partir da experiência positiva que as pessoas tiverem com a marca, gerar negócios.

Desafios da profissão

Sobre os desafios que o jornalista enfrenta quando atua em Assessoria de Comunicação, Juliane destacou a conscientização de toda a organização para a importância de comunicar bem. A comunicação deve atingir a todos de forma clara e objetiva e, ainda assim, primar pelos princípios jornalísticos.

Outro grande desafio é abastecer a mídia especializada com pautas relevantes, de preferência acompanhadas de cases que possam ilustrar reportagens. “Não adianta dizer: ‘me coloca na Exame’, mas não poder abrir os números. A revista Exame é uma publicação que trabalha com valores, então se você não puder revelar os indicadores da empresa eles não publicarão”, disse, explicando a dificuldade de conscientizar o assessorado sobre os critérios de cada veículo.

Falando sobre mídia espontânea, ela comentou as expectativas que ela gera no alto escalão das instituições. “Hoje saímos no G1, então amanhã as pessoas vão querer sair no G1 novamente e, depois no Jornal Nacional e no Fantástico”, exemplificou.

Comunicador em tempo integral


"Nós sempre estivemos na era da comunicação. Nunca sairemos dela"

Juliane finalizou a palestra, que foi assistida por 28 pessoas entre alunos de Comunicação Social e profissionais da área, falando sobre a importância da boa reputação do Assessor de Comunicação e dos porta vozes das organizações. Ressaltou que, ao representar uma empresa, o profissional tem que ter a consciência de que todas as opiniões que ele emite podem ser utilizadas pela imprensa, especialmente quando publicadas em redes sociais que atingem a um grande público. “Você não é comunicador somente das oito às dezoito horas. As pessoas esperam de você um posicionamento em tempo integral. Você não pode vestir a camisa da Senior em horário comercial e no final da noite dizer: eu odeio software, por exemplo”, finalizou causando o riso da platéia.

Nenhum comentário: